22 junho 2012

Nem Tudo o que Luz é... Sagrado


Chegou a Portugal uma proposta de "diversão santa" e  de "evangelização corpo a corpo". A expressão é de uma "missionária" promotora do evento que pode ser lida aqui. Trata-se da realização de cristotecas.


Gostava de ver explicados, pelos organizadores, aspectos menos divertidos e de maior exigência em relação à Mensagem de Jesus Cristo. Por exemplo: 

- onde vai parar o dinheiro ganho com estas iniciativas?

- quem paga aos DJ's e a outros prestadores de serviços?
- porque é que a maior preocupação da entrevistada é levar a iniciativa até às 5 horas da manhã e evitar que os participantes acabem por se ir divertir noutras discotecas, ou seja na concorrência? 

Googlando "a coisa" pode tornar-se confrangedora... ou caustica nas palavras deste articulista: "...espero sinceramente que esteve evento seja rapidamente transformado num festival de Verão. Um verdadeiro Rock in Rio de fiéis"... [ Ler mais ]

Não consigo entender muitos outros aspectos:
- qual é o lugar da fé cristã nesta iniciativa, ou "isso" é acessório?
- qual é o papel dos pobres, ou não pensaram neles?
- que sentido de sagrado traduz esta liturgia, ou agora vale tudo?
- os responsáveis que patrocinam estas actividades perderam a noção do ridículo, ou estão apenas desesperados?

Jesus não imaginava que a expressão "amai-vos uns aos outros" daria nisto, mas tinha boa noção de que a pobreza tem muitas caras. 

Informação aos leitores
Este post foi inspirado pela leitura dessa notícia na Fugas e deste artigo no Expresso. 
Na caixinha de comentários um leitor atento informa-me que é uma iniciativa de 2009. 
Vários órgãos de informação foram induzidos em erro a partir de um artigo da Ecclesia.
Agradeço ao leitor "sofrologista católico" que me fez a correcção. Aqui ficam as desculpas pelo erro cronológico.
Contudo as cristotecas existem noutras paragens e mantenho todas as questões que apresentei esta manhã.
Post editado às 20:44 Horas.
 - Maria do Céu



2 comentários:

  1. calma

    isto é de 2009 e nunca mais se ouviu falar disto

    ResponderEliminar
  2. - sofrologista católico
    Sim. Tem razão.
    A leitura inicial na
    Fugas
    do Público deu origem a este post.

    Agradeço a sua pronta intervenção e vou editar para fazer a correcção.

    Contudo, continuo a colocar as questões que tais iniciativas me suscitam.
    Muito Obrigada!

    ResponderEliminar

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu