01 abril 2019

Um novo dinamismo de mudança

A conversão é a inversão da rota do navio que, se continua assim, vai direita às rochas. Não serve fazer a conta dos bons e dos maus, é preciso reconhecer que é todo um mundo que tem de mudar de direção: nas relações, na política, na economia, na ecologia. (Ermes Ronchi)
Diante de alguma calamidade natural, acto de terrorismo, doença grave, morte prematura, sempre surge a interrogação: Onde está Deus? Esqueceu as suas criaturas ou está, porventura, a castigar os seus desmandos? Quer manifestar a sua cólera ou deixar um apelo à mudança de direcção, um convite à conversão?
No seu tempo, Jesus teve de enfrentar interrogações semelhantes dos seus contemporâneos a propósito de uns mortos que ficaram soterrados pelo desabar de uma torre em Siloé (Lc 1, 1-9). A resposta de Jesus é clara e pode resumir-se assim: não se trata de culpa ou de castigo; não é Deus que provoca as calamidades naturais, os actos de violência e de terrorismo; não se lhe podem atribuir os magnos desequilíbrios ecológicos com que estamos confrontados; tão pouco Deus muda de humor, porque é eterno o seu Amor.
Navio Escola Sagres. Inês Aparício. 2018
Em outra passagem do evangelho, quando é apresentado a Jesus um cego de nascença, aqueles que o trazem parecem estar preocupados em saber de quem é a culpa, do próprio ou dos seus progenitores, mas, também neste caso, Jesus descarta a pergunta e recusa que o acento tónico seja posto na definição de quem é o culpado, pois o que importa é que o cego passe a ver, seja curado do seu mal e plenamente reintegrado na comunidade. 

01 março 2019

Greta Thunberg – a voz dos pequenos

Aprendi que nunca se é demasiado pequeno para fazer a diferença (Greta Thunberg)
Greta Thunberg. Michael Campanella
Apresentou-se como uma adolescente de 15 anos (vinda de um pequeno país, a Suécia) na última cimeira do clima realizada em Katowice na Polónia, no passado mês de dezembro. Numa curta, mas vigorosa mensagem, disse ao que vinha: Falar em nome de Climate Justice Now (Justiça climática já!). 
Faltou à escola para poder estar naquela magna reunião e veio de comboio - e não de avião - por coerência com a sua causa. Admitiu o desconforto de ter de enfrentar um público de líderes mundiais que, por ventura, dizem defender uma economia verde, mas não ousam enfrentar o mito do crescimento ilimitado e resistem à implementação das mudanças indispensáveis e urgentes para alcançar a sustentabilidade, porque temem que tais decisões serão consideradas impopulares. 
“Vocês só falam em avançar com as vossas más ideias que nos conduziram a esta calamidade, mesmo quando a única coisa acertada seria meter o travão de emergência a fundo”.

01 fevereiro 2019

O quotidiano lugar de revelação

O Senhor está realmente neste lugar e eu não o sabia! (Gen 28,16)
Sino de Betânia. mcst 2014

Na sua última conferência, realizada em Lisboa em 5 Outubro passado, Luciano Manicardi, prior do Mosteiro de Bose (Itália) lançava esta interrogação: “se até numa colherinha de café o sol se reflete”, devermos perguntar-nos: existem coisas “banais”?
Toda a conferência foi uma interpelação dirigida ao modo como olhamos o nosso quotidiano, nas suas múltiplas vertentes e como o vivemos na relação que temos com as coisas que usamos, as compras que fazemos e as lojas que escolhemos, as tarefas que desempenhamos, as profissões que exercemos, os encontros que temos e as relações que no dia-a-dia vamos tecendo, os espaços que habitamos, os transportes a que recorremos…
Aquilo com que lidamos no nosso quotidiano diz muito de nós, das nossas opções pessoais e do nosso sentido de vida e, simultaneamente, vai deixando, em cada pessoa, marcas existenciais. Assim sendo, não podemos descurar a sua importância, pois, como diz Luciano Manicardi: elas (as “coisas”) são o diálogo ininterrupto que os sentidos estabelecem com o mundo e, através dos quais, o mundo toca a nossa alma. Deste modo, o quotidiano tem, assim, uma valência antropológica mas, também, espiritual. (...)

01 janeiro 2019

Todos somos responsáveis pelo bem comum

As recentes manifestações de contestação social (sejam elas as greves simultâneas por parte de distintos sectores socioprofissionais que se vêm sucedendo em Portugal ou os movimentos inorgânicos, como foram os “coletes amarelos” nascidos em França e, posteriormente, replicados em outras geografias, incluindo o nosso País) merecem reflexão, não só pelos seus efeitos, mas também pelas causas que estão na sua génese e propalação e, sobretudo, porque é urgente ir ao encontro destas vozes, saber escutá-las e dar-lhes resposta.
Água-um bem comum ameaçado.[link]
Não é por acaso que tais manifestações surgem em países com níveis de riqueza e de prosperidade elevados, civilizações avançadas no conhecimento científico e tecnológico e no reconhecimento de direitos humanos fundamentais, espaços de liberdade e garantidos direitos constitucionais de igualdade de oportunidades para todos. Por outro lado, dir-se-ia que, em termos comparativos, tanto no espaço como no tempo, a realidade, que é objecto de contestação, apresenta, no entanto, uma evolução positiva. Com efeito, é inegável que vive-se melhor hoje do que há 30 ou 50 anos e a Europa, com o seu modo de vida, continua a ser um polo de atracção para refugiados e migrantes de outros continentes.
Porquê, então, esta onda de contestação social? (...)  

01 dezembro 2018

Escutar. Responder. Libertar.

Este pobre clama e o Senhor o escuta (Sal 34, 7). Façamos também nossas estas palavras do Salmista, quando nos vemos confrontados com as mais variadas condições de sofrimento e marginalização em que vivem tantos irmãos e irmãs, que nos habituamos a designar com o termo genérico de “pobres”. (Papa Francisco)
La gente pobre. Jazmin Ruiz. 2015
É com estas palavras que o Papa Francisco começa a sua Mensagem para a celebração do dia Mundial dos pobres de 2018. Retomo-as, no início do novo ciclo litúrgico, como inspiração para este tempo de advento e da quadra natalícia que se avizinha.
Mergulhados e imbuídos, que estamos, na cultura dominante, corremos o risco de pôr entre parêntesis critérios evangélicos e ceder à tentação das propostas que todos os dias nos chegam pelos media e pelo marketing e fazer desta época o ápice do consumismo e do negócio, esquecendo os mais frágeis e descurando impactos sobre o cuidado a ter com a nossa casa comum. 
Uma redobrada atenção aos mais pobres pode servir-nos de antídoto ao consumismo, ao desperdício e à cultura do descarte e abrir a nossa mente e o nosso coração aos valores da inclusão, da solidariedade e da fraternidade, em consonância com o evangelho.
Na mensagem de Francisco, encontramos, em espelho com a tradição bíblica, aquilo que deve ser a relação dos crentes com os mais frágeis e marginalizados, incluindo o Planeta em que habitamos.
Francisco destaca três verbos que exprimem a relação do pobre com Deus. São palavras-chave que devemos ter em conta: escutar, responder, libertar. (...)