01 setembro 2018

Carta do Papa Francisco ao Povo de Deus

Um membro sofre? Todos os outros membros sofrem com ele. (I Co 12, 26)
Nos últimos dias, veio a público a denúncia feita pelo Procurador-geral do Estado da Pensilvânia de que, durante mais de 70 anos, teria sido praticado um número considerável de crimes de abuso sexual de menores, por parte de clérigos e pessoas consagradas, factos estes testemunhados com queixas de mais de 1000 vítimas sobreviventes recolhidas por um Grande Júri. 


Esta denúncia acresce a outras que têm vindo a ser conhecidas em diferentes países, como sucedeu recentemente na Austrália, no Chile ou na Irlanda. É de admitir que o processo de desocultação continue e venham a surgir, dentro em breve, novas denúncias em outros países e continentes. Se sofremos com a situação, só temos que nos regozijar com a verdade e a possibilidade de fazer justiça às vítimas.

Os casos já apresentados não podem deixar de nos comover e interpelar, pois estamos perante crimes horrendos de abuso, de poder e de consciência, perpetrados contra vítimas frágeis e indefesas, crimes de violação de direitos humanos, crimes contra a Humanidade(...).
ler mais ]

Créditos de Imagem: Amigos, in revistaecclesia.com

21 agosto 2018

Vergonha e Arrependimento


(...)  sentimos vergonha quando percebemos que o nosso estilo de vida contradisse e contradiz aquilo que proclamamos com a nossa voz. 
Carta do Papa Francisco ao Povo de Deus [ texto em português ]

O Papa Francisco reagiu à crise de abusos sexuais em vários países na carta aos católicos, reafirmando «tolerância zero» e responsabilização de quem cometeu ou ocultou tais crimes
O texto refere o relatório sobre casos de abusos sexuais na Pensilvânia, nos EUA em que novos dados dão a conhecer “aquilo que vivenciaram pelo menos 1000 sobreviventes, vítimas de abuso sexual, de poder e de consciência, nas mãos de sacerdotes por aproximadamente setenta anos”.
O Papa defende que as comunidades católicas devem unir esforços para “erradicar essa cultura da morte”, destacando que as feridas “nunca prescrevem”.
Francisco convida todos os católicos ao “exercício penitencial da oração e do jejum”, com o objetivo de promover a solidariedade e o compromisso com uma cultura do cuidado e o “nunca mais” a qualquer tipo e forma de abuso[Fonte:Agência Ecclesia]

A Comissão Pontifícia para a Protecção de Menores, criada pelo Papa Francisco em 2014 afirmou que se sente “incentivada” pelo apelo à “tolerância zero ao abuso de menores” e “encorajada” com a carta do Papa. 

20 agosto 2018

Espiritualidade e Ciência

No intervalo entre os festivais de verão podemos refrescar a procura da felicidade, da sabedoria e da verdade...
Aqui ficam duas entrevistas proporcionadas por um só protagonista: Luís Portela, Chairman da Bial.
Luís Portela-foto LucíliaMonteiro-Visão
A Grande Entrevista link ] (48:51m) ao jornalista Vítor Gonçalves, na RTP, no dia 15 de Agosto de 2018 sobre o seu novo livro, a sua vida, a mente humana, espiritualidade e ciência...
E a entrevista à jornalista Clara Soares publicada na revista Visão, a propósito do seu livro Da Ciência ao Amor para os “leitores que não se contentam com o materialismo das sociedades desenvolvidas e querem ir mais longe no conhecimento de si”.  [ link ]

01 julho 2018

Da cultura do excesso à mística da responsabilidade pessoal e colectiva

Plastic waste washed up on a beach - Daniela Dirscherl
Age de modo a que os efeitos de tua ação sejam compatíveis com a permanência de uma autêntica vida humana sobre a Terra. (Hans Jonas, O princípio da responsabilidade)
.
Todas as épocas têm as suas glórias e as suas patologias próprias.
Com os êxitos e as glórias, os humanos e as suas sociedades convivem bem, apreciando-as, dando-as a conhecer e exaltando-as. 
Não raro, porém, vão para além do razoável, olhando mais para os resultados do que para os custos com que estes foram alcançados e, sobretudo, subestimando, indevidamente, possíveis consequências para o bem comum e para as gerações futuras. Veja-se o que se passa com a euforia do crescimento económico ilimitado que persiste, há mais de meio século, como indicador do desempenho político! Ou, em outro domínio, o fascínio com o conhecimento (da biologia, do psiquismo humano, da matéria,…) e o risco do alargamento do campo das manipulações genéticas e comportamentais em curso, sem o devido respaldo da Ética. (...).
[ ler mais ]

29 junho 2018

Uma nova primavera no movimento ecuménico

Passou despercebida, na comunicação social portuguesa, a presença do papa Francisco na celebração dos 70 anos do Conselho Mundial das Igrejas, que ocorreu no passado dia 21, em Genebra. Mas o facto foi lembrado – e bem – pelo artigo de Anselmo Borges no DN desta sexta-feira.

A presença do Papa Francisco neste evento vem confirmar o seu empenho em viabilizar uma nova primavera ecuménica, como o próprio quis assinalar com o lema que escolheu para esta viagem: caminhar, rezar e trabalhar juntos.
 
No mesmo sentido vão as palavras iniciais do seu discurso: Quis vir aqui, peregrino em busca de unidade e paz. 
 
De salientar, ainda, a sua afirmação de cariz mais programático: No movimento ecuménico devemos deixar cair do dicionário uma palavra: proselitismo.
 
Anselmo Borges aproveitou o seu artigo semanal de hoje para nos oferecer uma retrospectiva sucinta do movimento ecuménico e para assinalar alguns marcos históricos do percurso, que vem sendo feito, designadamente depois do Concílio Vaticano II. 

Em suma, um artigo a não perder.

08 junho 2018

Um gesto pelo ambiente sustentavel

No dia mundial pelo ambiente, veja e divulgue este vídeo (ver abaixo) e, sobretudo, inicie uma mudança no seu comportamento em favor de um ambiente sustentável!
http://casacomum.pt/2018/06/06/o-nosso-planeta-esta-a-afogar-se-em-poluicao-plastica/

02 junho 2018

Consciência e bem comum

nós e a ÉticaFernanda Tavares. 2018
Criado por Deus para a felicidade, o ser humano encontra na sua dedicação ao bem da comunidade em que se insere os meios para realizar essa felicidade pessoal e social. É missão da Igreja contribuir para a edificação de uma sociedade mais justa e fraterna, mais responsável e solidária. Ninguém pode ficar excluído dessa tarefa permanente. (Carta pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa, Setembro 2013)
.
Quando recordo as notícias das últimas semanas, não posso deixar de ficar perplexa. Refiro-me à violência gratuita em contextos onde se esperaria encontrar espaços de companheirismo e de fraternidade. Lembro, também, as denúncias acerca da corrupção activa e passiva que, no nosso País, vem ganhando proporções consideráveis, parece não conhecer limites nos expedientes usados e, como óleo derramado, vem atingindo indivíduos e grupos profissionais, até há pouco, considerados impolutos e acima de qualquer suspeita. 
 (...)
Precisamos de ter a coragem de reconhecer que é o ser humano que está em causa assim como a necessária mudança da sua própria consciência, esse lugar secreto em que se vão alicerçando as fronteiras do bem e do mal, com base no conhecimento, na tradição e na cultura e, sobretudo, na fé, quando esta existe. (...)