15 abril 2010

Até os pagãos conhecem o temor a Deus

No site da Fundação Betânia foi publicado mais um estudo da série sobre o Génesis, no âmbito do Projecto Ler a Bíblia, coordenado por Nicoletta Crosti.

Estes estudos podem ser comentados aqui no Ouvido do Vento.

É uma maravilha ver retomado o relato do capítulo 12 do Génesis, quando Abraão entra em terra estrangeira e, temendo pela sua vida, faz passar a sua mulher por irmã. O mesmo relato será repetido por Isaac (Gn 26,6-11). É evidente que existia uma antiga tradição da qual os autores fizeram derivar três relatos.

Embora o acontecimento seja fundamentalmente idêntico, a narrativa muda, quer em termos de contexto quer da forma como se desenvolve o tema, porque é diferente a mensagem que se quer transmitir.

Também neste capítulo se enfatiza a inadequação das personagens, como Abraão, chamadas a ser protagonistas de uma história de salvação. Deus aceita os patriarcas como eles são, filhos do seu tempo, desembaraçando-se como podem perante as dificuldades da vida, usando até a astúcia e a mentira relativamente às quais o autor não se escandaliza. Jesus, numa parábola, chegará a dizer: o senhor elogiou o mordomo desonesto pela sua astúcia (Lc 16,8). Para nós, hoje, a mentira de Abraão parece imperdoável porque somos filhos de uma sociedade na qual o respeito pelo estrangeiro e pelo próximo se desenvolveu imenso. Não era assim há três mil anos.

Não obstante a sua mentira, Abraão permanece para Deus um profeta. Todavia, Deus não deixa que passe despercebido o seu erro e mostra-nos as suas consequências negativas. (v.18).

(...)

- Nicoletta Crosti,
Até os pagãos conhecem o temor a Deus
- Génesis, capítulo 20

[ Versão integral ]

Sem comentários:

Enviar um comentário

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu