01 novembro 2014

Ser feliz: um direito e um dever

Le bonheur n'est pas le but, mais le moyen de la vie
(Paul Claudel)
On ne vit pas pour être heureux; en revanche, on vit grâce au bonheur.
(Christophe André)
 
le bonheur si je veux - J. Quoidbach
Quando vivemos num tempo marcado por profunda e duradoura crise exterior, como sucede no mundo actual e, de modo particular, no nosso País, o nosso olhar sobre a realidade e sobre nós próprios/as tende a tornar-se inseguro e sombrio e o comportamento social mais comum oscila entre a euforia de um divertimento fácil e irresponsável e a passividade e a resignação decorrentes da depressão colectiva. Reconhecê-lo constitui um primeiro passo para poder superar esta dupla ameaça e não desistir de procurar a felicidade.
Neste contexto, ganha particular importância o aprofundamento do nosso ser interior, o reconhecimento dos nossos recursos pessoais, a valorização da nossa auto-estima, a tomada de consciência do direito e do dever de sermos felizes.
(...) 

Sem comentários:

Enviar um comentário

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu