15 dezembro 2013

O Pecado do Homem
não torna vão o desígnio de Deus
-Génesis, capítulo 50

Com este capítulo termina a história dos Patriarcas, fortemente apoiada pela linha sacerdotal, que não considerava a Aliança do Sinai como o início da história do povo hebraico. A linha sacerdotal tinha visto no edital de Ciro (538 AC), que permitia aos Hebreus voltar a Jerusalém e reconstruir o templo, a realização das promessas (a palavra berith em hebraico significa tanto promessa como aliança) feitas por Adonai a Abraão, séculos antes da libertação do povo hebraico do Egito; as promessas de uma descendência, uma terra e uma bênção para todos os povos da terra. Promessas unilaterais, que, ao contrário da Aliança, não exigem nada aos filhos de Israel. A chamada de Abraão, seu filho Isaac e seu neto Jacob são o início de uma história de salvação querida por Deus e que vai levar a bom termo, apesar das limitações e infidelidades dos chamados.
(...)

É Deus que dirige a história de acordo com um plano bem preciso de salvação.



Nicoletta Crosti,
O Pecado do Homem não torna vão o desígnio de Deus
Génesis, capítulo 50
[Versão integral]
Com o presente texto terminam os contributos de Nicoletta Crosti em "LER A BÍBLIA".
 No Site da Fundação Betânia  ficam disponíveis todos os seus textos, como sinal de reconhecimento à Amiga e Colaboradora que faleceu em 8 de Novembro de 2013.

Sem comentários:

Enviar um comentário

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu