01 abril 2012

Um Olhar Pascal para Ver e Agir com Novidade

… e ser faúlha onde a morte vive
E a vida rompe.
- Daniel Faria

"Close up of girl in costume holding leaf“
© Darren Kemper/Corbis (RF)
Se em cada ano celebramos a Páscoa não é para repetir gestos ou fazer memória de palavras antigas, acontecimentos passados, experiências vividas por outras personagens ou povos, há muitos séculos atrás. Não é sequer apenas para recordar a vida de Jesus, a sua morte e ressurreição e fazê-lo como quem revisita uma biografia de alguém que muito apreciamos.


É, sim, para acrescentar novidade à nossa própria experiência humana, recriar e aprofundar a nossa singularidade, integrando nela a complexa e rica teia de relações que vamos tecendo, com os outros que nos são próximos mas também as nossas ligações com o vasto mundo que habitamos e nos habita.


A Páscoa vivida como experiência pessoal de morte e ressurreição traz-nos, de facto, a possibilidade de um olhar novo sobre a realidade, um olhar mais atento e com maior claridade, mais focalizado no essencial, mais descondicionado por velhos preconceitos enraizados no nosso individualismo egoísta, mais aberto ao outro e aos seus direitos e necessidades, mais amoroso e solícito no cuidado com a vida em comum e com toda a criação, que reconhecemos não como propriedade mas como dádiva de Deus e fruto laborioso do engenho humano. É este olhar novo o dom, por excelência, de cada Páscoa!
(...)

Sem comentários:

Enviar um comentário

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu