11 janeiro 2012

A Estrela da Revelação

A cada pessoa é dada uma estrela de Revelação, uma estrela que lhe apontará o seu singular e único caminho de salvação.

Nem todos, porém, seguem a sua estrela e assim se perdem no labirinto da Babilónia.

Uns, porque ocupados – e enredados – que estão nos negócios terrenos nem sequer levantam os olhos ao Alto ou, se o fazem, distraem-se com a miríade de estrelas que brilham no céu, mas não descobrem a sua.

Outros, porque embora atraídos por um certo cintilar que os fascina e comove (a sua estrela de Revelação!) não persistem no esforço de desvendar o mistério para que a estrela aponta.

Outros, ainda, porque não ousam juntar-se aos peregrinos que se atrevem a percorrer os trilhos do amor, da justiça e da paz, o horizonte comum de salvação para onde apontam todas as estrelas da Revelação.

A recente celebração da festa da Epifania coloca-nos perante o desafio de aprender a reconhecer a nossa estrela de Revelação, certamente olhando para o céu, mas sobretudo escutando e respondendo aos acontecimentos que preenchem o nosso quotidiano e o nosso mundo e que nos desassossegam, nos indignam, nos maravilham (José Augusto Mourão, in Quem vigia o vento não semeia, 2011).

Sem comentários:

Enviar um comentário

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu