15 dezembro 2011

Labão processa Jacob mas depois estabelece com ele uma Aliança - Génesis 31,22-54 e 32,1

De acordo com uma antiga tradição Jacob tinha sido alvo de um processo judicial, devido a um incumprimento legal. Processo que foi depois concluído por uma aliança. O autor retoma esta narrativa adaptando-a à mensagem teológica que quer sublinhar.

Adonai é o Deus fiel que mantém as promessas

As promessas feitas a Jacob no Gn 28, 13-15, entre as quais ser o aliado que protege e faz de Jacob instrumento de bênção para todos.

vv. 22-23 Labão sabe que Jacob fugiu com rebanhos e as suas filhas, sente-se escarnecido e quer vingança. Persegue-o até Guilead e alcança-o porque se move mais rapidamente não levando crianças, rebanho ou bagagens. Leva consigo alguns parentes para serem testemunhas do que dirá e fará.

 (...)

v. 26-28 Que fizeste? Enganaste o meu coração e levaste as minhas filhas como prisioneiras de guerra... Por que fugiste furtivamente?

A acusação é grave e dupla: Jacob com a sua fuga tinha realizado um verdadeiro acto de violência, tendo raptado as filhas como espólio de guerra, segundo os costumes de então (Nm 31,7-18, Dt 21, 10-14) e tinha enganado Labão. Naquele tempo em Canaã a mulher casada continuava a pertencer à casa do pai; era o homem, que, se não fosse primogénito, largava definitivamente a casa paterna. Fora da família as filhas de Labão sabiam-se privadas de protecção jurídica.

vv. 29-30 Recordando as palavras de Deus, Labão modera-se e quase justifica Jacob, mas revela um argumento novo a favor do seu requisitório... porque me roubaste os meus deuses ? Roubar os ídolos era mais que um furto, era um sacrilégio.

v. 31-32 Jacob respondeu a Labão… porque tive medo e pensava que me retirarias… as tuas filhas. Jacob desculpa-se, e de boa fé pretende que Labão se aperceba da falsidade do furto dos ídolos.

(...)

- Nicoletta Crosti,
Labão processa Jacob mas depois estabelece com ele uma Aliança
Génesis 31,22-54 e 32,1

Sem comentários:

Enviar um comentário

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu