08 maio 2009

^Reflexão sobre uma inusitada experiência

Esta inusitada experiência tem sido como viajar num navio. Não se sabe se chegará a bom porto, mas segue o rumo que lhe é traçado, cuidando de quem vai a bordo, tendo a mão segura no leme e os olhos na vigia. Contudo a força do mar, dos ventos, das correntes e marés não dependem nem dos capitães nem dos marinheiros. Esses confiam em Deus porque, mesmo que naufraguem, sabem que a Esperança não reside no navio. A Esperança está dentro de cada uma de nós que, sendo imagem de Deus, a reflecte para os outros. Este é que é o desafio.

Recebi de uma amiga esta reflexão que me parece a posição justa face ao compromisso com a transformação do mundo em que vivemos.
Se, por um lado, não podemos demitir-nos de intervir na viabilizaçãao de soluções inovadoras ao nosso alcance, no sentido de maior bem comum, por outro lado, há que ter a sabedoria de contar com a complexidade e com o peso das forças adversas, mantendo sempre a esperança e por ela salvaguardando a alegria, como forma de estar na vida.

Deixo-lhes esta partilha na expectativa que sirva de inspiração a outras pessoas.
MS

1 comentário:

  1. Manter viva esta esperança, é uma grande força para a caminhada de pequenos passos num mundo que parece estar a naufragar.
    Luisa

    ResponderEliminar

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu