01 abril 2017

Hospitalidade: convite e dom recíproco

Menino com sede - de: A Bruna em África. 2017
Antes de tudo, manter a porta aberta. A tenda de Abraão não tem chaves para fechá-la, mas portas que abrem. (Marco Dal Corso)
.
Vivemos tempos difíceis, em que se misturam e interagem a exaltação e o júbilo próprios das grandes descobertas e inovações e o temor e a insegurança inerentes aos  riscos de uma economia disruptiva, uma globalização e financeirização sem regras que, cada vez mais, comandam a nossa vida, a que acresce uma guerra aos pedaços, como lhe chamou o Papa Francisco.
São tempos de crise económica, social e políitca que exigem que repensemos, pessoal e colectivamente, os fundamentos em que alicerçamos as nossas crenças, os nossos valores, a nossa identidade e cultura, para deles impregnarmos as nossas instituições e os nossos modos de agir e de conviver.
Entre outros desafios, nestes tempos ruins, não podemos ignorar as grandes movimentações de refugiados que procuram encontar na Europa um lugar seguro para as suas vidas. Por razões distintas, mas não menos sérias, existe também grande número de migrantes de diferentes latitudes e culturas que pretendem viver nos países europeus de maior prosperidade. E, mesmo entre os cidadãos de um mesmo País, há pessoas excluídas e marginalizadas que carecem de reconhecimento da sua alteridade e de inclusão social.  (...)
.

Sem comentários:

Enviar um comentário

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu