01 abril 2015

Auto-estima aberta ao Outro

Em tempos de crise exterior, precisamos de solidez interior; se o olhar que temos sobre o que se passa à nossa volta se revela inquietante e inseguro, é em nós mesmos que devemos procurar os recursos para encontrar segurança e para nos motivarmos (…)
O futuro da auto-estima é o esquecimento de si! Não o abandono, nem o desprezo, o esquecimento: depois de ter tomado cuidado de si próprio/a, com ternura e respeito, voltar-se para os outros e para o mundo que nos rodeia.
(Christophe André, médico psiquiatra)
"Nas Mãos de Deus" - Sieger Köder

Não é por mera questão de moda que hoje se desenvolvem tantas e tão variadas práticas em busca de um equilíbrio físico e psicológico que parece perdido no meio da turbulência e incerteza que a crise económica, social, cultural e espiritual, que conhecemos, veio incrustar nos nossos quotidianos mais banais. É por necessidade vital e urgência de sentido de vida.(...)
Celebramos nestes primeiros dias de Abril a memória da paixão de Cristo, o culminar do percurso da sua vida terrena e o testemunho que deixou aos seus discípulos de uma vida entregue em favor dos últimos, os doentes, os pobres, os oprimidos pelos poderosos, os mal-amados e marginalizados. Tendo amado os seus, amou-os até ao extremo, diz São João, cap13,1. Reconhecendo-se como Filho de Deus, humilhou-se a si mesmo e fez-se o servo dos servos. Por isso Deus lhe deu um nome que está acima de todos os nomes (Fl 2,9) e O ressuscitou dos mortos (Mt 28,6-7).
Vivemos hoje pela sabedoria e pela força do Espírito do ressuscitado. Nele temos os alicerces de uma auto-estima que não se fecha em si mesma, mas se abre ao Outro, na dádiva humilde e generosa dos pequenos gestos de amor ao próximo. Assim, podemos cantar com verdade: Aleluia! Aleluia! Aleluia!
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu