11 maio 2013

O Sentido da Fé e do Compromisso Cristão

É na próxima quinta-feira que participarei no ciclo de conferências de Maio do CRC, com uma reflexão sobre o sentido da fé e do compromisso cristão na sociedade em que vivemos.
Antecipo aqui algumas passagens da comunicação que preparei como introdução ao debate.

 A fé cristã nasce e vive de um encontro com a Palavra de Deus e a sua revelação em Jesus Cristo; é, simultaneamente, dom de Deus e resposta humana de aceitação e de correspondência a este dom. Por isso, São Paulo, dirigindo-se aos cristãos de Coríntio, recomenda-lhes, vivamente: examinai-vos a vós mesmos para verdes se estais na fé
Estar ou permanecer na fé é uma expressão que traduz a dimensão existencial da fé, a sua necessária adaptação à realidade temporal e o seu enriquecimento com a própria vida.

A fé cristã é, na sua essência, um acto de liberdade, que, uma vez assumido, em espírito e verdade, oferece os parâmetros da escolha dos objectivos nucleadores do ser (é a matriz do horizonte que permite orientar-nos para a unificação interior e identificar os caminhos para a alcançar). Por isso, a fé cristã traduz-se, necessariamente, em obras que anunciam (e antecipam!) o Reino de Deus

Os cristãos, sobretudo os leigos, não podem deixar de estar activamente presentes nesta realidade temporal. É nela que lhes cabe deixar as sementes do Evangelho, através dos meios ao seu dispor:
- a denúncia das injustiças e de todos os obstáculos que prejudicam o desenvolvimento do ser humano, a harmonia da Criação, a solidariedade e a paz entre os povos;
- o anúncio da esperança, por palavras, iniciativas concretas e comportamentos individuais coerentes com a fé que professam.

Sem comentários:

Enviar um comentário

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu