01 setembro 2013

Ser para os Outros

dá-nos a graça de voltar
aos sítios fundadores
que nos iniciem no gosto das coisas
e de nós próprios
e que a memória do dom
desperte em nós o dom
do encontro sem medida.
José Augusto Mourão, in O Nome e a Forma

(...)
Regresso deste mês de Agosto com uma convicção, mais firme do que nunca, de que todo o ser humano é um ser em devir, um ser em construção, que só encontra a sua realização autêntica quando se dispõe a entrar numa dinâmica permanente de escuta e resposta, que combine os seus desejos íntimos com a realidade exterior em que está inserido. Quando tal dinâmica afrouxa, a vida pessoal torna-se amorfa, coisifica-se, e a singularidade esperada de cada vida humana esfuma-se, deixando um inevitável rasto de insatisfação e alienação. 


Bird taking an offer of food © Beowulf Sheehan
Então, o vazio toma conta do lugar da esperança e é grande o risco de derivas depressivas, originadas e alimentadas pelo rastilho das múltiplas injustiças e desmandos que não podemos – nem devemos – ignorar, em relação aos quais experimentamos uma dolorosa situação de impotência, face aos poderes instalados, à complexidade e rigidez dos sistemas que regem as nossas vidas, à manifesta impreparação das pessoas para ajuizarem das situações e fazerem valer direitos fundamentais de melhor qualidade de vida, solidariedade e bem comum.

Muitas das pessoas que conhecemos, incluindo entre as gerações mais jovens, sofrem desta grave e preocupante doença social, que se manifesta sob a forma de acomodação e passividade ou, em modalidade mais agressiva, o individualismo do salve-se quem puder, doença contra a qual julgam poder lutar, erguendo muros de indiferença ao sofrimento ou refugiando-se em torres de marfim aonde não entrem clamores alheios. 

(...)

Aprender a ser para os outros e pô-lo em prática, nos mais ínfimos actos e nas mais banais escolhas, é, na nossa sociedade e no tempo presente, uma prioridade realista e urgente, que importa passar às novas gerações, sobretudo através de um testemunho pessoal e comunitário que desperte o gosto pela Vida e o sentido de responsabilidade por conservá-la e fazer frutificar, dando lugar ao outro, criando e fortalecendo laços, valorizando a solidariedade e o empenho pelo bem comum.

Como adverte José Augusto Mourão, há que saber voltar aos sítios fundadores, ao gosto das coisas e de nós próprios, à memória do dom e do encontro sem medida.


Sem comentários:

Enviar um comentário

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu