18 janeiro 2013

Para uma Liturgia do Hoje


Celebrar é rememorar
Mas também fazer acontecer
Como se o hoje fosse o dia
Em que o Sopro nos visita
E a Palavra se apresenta
qual gramática segura da nossa humanidade.

Hoje ninguém poderá dizer:
Que se atemoriza com um rosto de criança
Que permanece indiferente ao sorriso de um menino
Que ficará insensível a um grito de carência
De alguém que está por perto.
Voltar as costas ao próximo é palavra proibida.

É esta a liturgia do hoje.

Ponte para a escuta do mistério
Para o encontro que vai muito além do visível
Convite à permanente transumância
Das pastagens conhecidas e gastas
Ao imprevisível dos horizontes largos do futuro.

É esta a liturgia do hoje.

Com a esperança nos prados claros, verdejantes e limpos
Que nos esperam em chave de promessa.

1 comentário:



  1. Muito bonito.
    O difícil é fazer desse conteúdo um "programa de vida".
    Vamos tentando...

    Almerinda Teixeira

    ResponderEliminar

A publicação de comentários está sujeita a moderação.
Maria do Céu